terça-feira, 12 de maio de 2015

Vice-reitora Ana Dulce: “Quero fazer a diferença”

Ana Dulce dos Santos
Era uma vez uma moça criada no subúrbio carioca de Bangu e que se deslocava quilômetros todos os dias para freqüentar a universidade no bairro da Tijuca. Um dia, já formada em processamento de dados, foi convidada por uma conhecida que lecionava em um instituo angolano para também ensinar na instituição. Ela reuniu forças para deixar a mãe já diagnosticada com câncer aos cuidados de familiares e partir para o continente africano, para um país recém saído de uma sangrenta guerra civil, para conseguir mais recursos e custear seu tratamento. Foi assim que Ana Dulce dos Santos foi parar em Luanda em 2002, a princípio para ficar um ano, e hoje, mais de uma década depois, é vice-reitora de Assuntos Acadêmicos da Universidade Privada de Angola - UPRA.


- Nós somos independentes de Portugal há 193 anos. Angola se tornou independente há apenas 40 anos. Então é compreensível que muita coisa ainda esteja por fazer, por construir. Para mim foi difícil no início. Tive alguns choques culturais, mas hoje estou completamente adaptada. Quase todo mundo que está longe tem uma imagem da África totalmente errada, muito estereotipada. Algumas pessoas perguntavam: "Você vai pra lá?! Mas lá tem universidade?" – contou.
A Universidade Privada é uma jovem, como jovem é o país independente. Há 13 anos o instituto virou Universidade e hoje tem cerca de 3.200 alunos, 200 docentes e campus em Luanda, Cabinda, Lubango e Namibe. A instituição oferece 14 cursos: Arquitetura, Engenharia Civil, Engenharia de Informática, de Gestão, e de Sistemas Informáticos, Comunicação Social, Gestão e Contabilidade, Relações Internacionais, Turismo e Gestão Hoteleira, Ciências Farmacêuticas, Enfermagem, Fisioterapia, Odontologia e Psicologia Clínica.

Ana Dulce fez parte desse processo de transição, assim como acompanha a Angola em constante transformação, já que pôs os pés no país apenas três dias depois da morte do fundador e líder da UNITA, Jonas Savimbi.

- Eu cheguei no dia 25 e ele tinha morrido no dia 22 de fevereiro de 2002. Acompanhei bem toda a mobilização em torno disso, a assinatura dos acordos de paz... Foi muito impactante e um momento importante demais para os angolanos.
A União das Populações de Angola (UPA), o Partido Democrático de Angola (PDA), o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) e União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) eram forças que atuaram no processo de independência de Portugal, em 1975, e que protagonizaram a Guerra Civil pelo poder no país que se estendeu, com intervalos, de 1975 até 2002. O conflito se transformou num terreno de batalha substituto durante a Guerra Fria e contou com a intervenção das nações diretamente ligadas a ela como Estados Unidos, União Soviética, Cuba e África do Sul.
Jonas Savimbi
O MPLA conseguiu a vitória em 2002, mas ao custo de mais de 500 mil mortes e mais de 4,28 milhões de pessoas que foram obrigadas a se deslocar dentro do território nacional. Uma crise humanitária sem precedentes no país. Em 2003, a Organização das Nações Unidas (ONU) estimou que 80% dos angolanos não tinham acesso a assistência médica básica, 60% não tinham acesso à água potável e 30% das crianças angolanas morriam antes dos cinco anos de idade, com uma expectativa de vida total nacional de menos de 40 anos de idade.

Formatura UPRA

- Eu cheguei ali naquele momento tão delicado, com tudo muito vivo ainda. Hoje vejo que é uma sociedade que está se esforçando de forma incrível para se recompor, para melhorar os índices de educação. As pessoas estão mais críticas e procurando o que é melhor. Lá temos o Ministério da Educação, que é responsável até o ensino médio; e o Ministério do Ensino Superior, que se encarrega da graduação, pós-graduação, etc. A maioria dos estudantes que se formam no Brasil ou em outros países retornam, contribuindo assim neste esforço de crescimento. O ensino por lá tem muita cooperação cubana, povo que tem excelentes relações com Angola desde a guerra de independência, e os angolanos tem um carinho especial também com o Brasil porque foi o primeiro país a reconhecê-los como nação independente. Não existem muitos docentes, então os profissionais se dividem em muitas instituições. Eu comecei o mestrado de Ciências da Educação e estou pensando em outros cursos. Temos protocolos de cooperação, intercâmbio com universidades brasileiras, como por exemplo a USP (Universidade de São Paulo) e a UFBA (Universidade Federal da Bahia) – explicou.

Como é sabido, o tráfico atlântico por séculos arrancou angolanos de suas terras para exportá-los como escravos para as Américas. Esse movimento de retorno as origens não escapou a percepção da vice-reitora.

- Quando passei no museu Nacional da Escravatura, em Luanda, senti um aperto. Uma angústia. Fica próximo ao mar, de onde partiam para um destino incerto. E hoje estou eu aqui. Todos sempre foram muito calorosos comigo. Quando minha mãe falceu e viajei para o Brasil, passei um dia inteiro recebendo ligações de Angola. Não sei se ficarei para sempre ou se retorno um dia para o Brasil, mas quero construir algo. Mesmo que seja uma pequena parte, quero ajudar a melhorar coisas que ainda são deficientes e fazer a diferença, ser uma referência.

A África não está apenas no sangue e características deixadas pelos ancestrais. Hoje Ana tem nova motivação para trabalhar e desejar com afinco que Angola e Brasil cresçam. Ela atou um laço mais forte ligando as duas nações: o filho N’Zoji David. O primeiro nome, no idioma quimbundo significa ‘sonho’. Então sonhe alto, flor da cor Ana Dulce!

Ana Dulce e N'Zoji


5 comentários:

  1. Parabéns! Orgulho enorme dessa mulher corajosa, capaz e linda!
    Saúde, paz e sucesso.
    Luiz Carlos Barrozo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradecemos. Como todas as retratadas aqui, ela é maravilhosa!

      Excluir
  2. Ela é sincera. Quer construir algo. Mas deve especificar o que. Algo em seu beneficio ou em benefício da sociedade? Quem sabe...?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim. Construir um legado para a sociedade em que está inserida, pois no final das contas, quando fazemos parte realmente de algo não existe separação. Tudo volta para nós mesmos. Obrigada por participar! ;)

      Excluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir